Centro de Apoio à Pessoa em Luto

sábado, 20 de março de 2010

Este instante que é a vida


É no instante de um momento que a vida começa.
Num momento de amor e partilha de corpos suados, apaixonados e simbioticamente ligados.
É nesse instante de ligaçao de corpos e por vezes almas, que o instante da vida começa.
É no instante de um momento que nos apaixonamos e por vezes amamos.
Num cruzar de olhares, de cheiros, de esperança, ilusão, fé....num instante de uma praia, de uma rua, de um transporte, de um qualquer sítio que não vamos parar de olhar com nostalgia....

É no instante de um momento que começamos a amar e a ser amados.
Com respeito, lealdade, maturidade e acima de tudo partilhando os corpos, o tempo, as decisões, um projecto futuro, a construção de uma vida partilhada por amor, enfim a construção de um magnífico castelo na areia....

É no instante de um momento que começamos a perder, a cair, a não ter forças para nos levantar, em que a tristeza toma conta do nosso coração, e acreditamos que não há saída, que não há esperança nem rumo, em que nos perdemos, e esquecemo-nos por um instante que a vida sempre continua....

É nesse instante que começamos a perder os instantes dos momentos que fazem parte da vida....e a vida sempre continua...e não paramos de olhar para trás e a vida sempre continua para a frente...e não consigo deixar de te olhar...e a vida sempre continua....e os instantes vão passando, os momentos vão passando, a vida vai-se desperdiçando....e a vida sempre continua.

É no instante de um momento que vamos deixar de olhar para trás; por um outro qualquer olhar, por uma qualquer frase que ecoou na minha alma, por um qualquer cheiro que me voltou a fazer a acreditar.

É no instante de um momento que vamos deixar de olhar para trás; porque ficamos cansados de sofrer, de desperdiçar a nossa vida sofrendo, de olhar para trás com medo de voltar a caminhar em frente e cair....
É no instante de um momento que vamos deixar de olhar para trás; que vamos sair da nossa torre de marfim que nos dá alguma paz, tranquilidade e falsa quietude num sofrimento em que já nos habituámos a sentir, para não termos de voltar a viver e a caminhar em frente....e a vida sempre continua....e os instantes passando...e os momentos passando....e a vida sempre continua....

É no instante de um momento que deixamos de nos queixar do nosso sofrimento, que deixamos de pensar e de revivênciá-lo ciclicamente numa roda de auto-destruição, é nesse instante de um qualquer momento que começamos a aceitar o sofrimento e começamos a aprender a viver com ele, critalizando o que se perdeu no nosso interior para toda a eternidade sem que isso nos faça sofrer, pois nesse instante de critalização o primeiro passo é aceitar a perda como um acto de profundo e verdadeiro amor; pois amor que é amor, só é amor em liberdade, e por vezes o último acto do amor é libertar quem perdemos para dessa forma nos libertarmos também.
E a vida sempre continua...

É no instante de um momento que olhamos para trás e nos apercebemos que a vida se faz de “pequenos nadas”, de pequenos instantes efémeros dentro do momento; é nesse instante que agarramos a nossa vida com toda a força e intensidade da nossa existência e começamos a viver intensamente o momento certo do aqui e do agora da nossa existência.
E a vida sempre continua....

É no instante de um momento que nos despedimos da vida e de nós mesmos. Nesse instante olhamos para trás e vemos o que sempre soubemos; é que a vida sempre continua, nunca pára. Nesse instante de despedida da vida e de nós mesmos, olhamos para trás e sabemos no nosso ser mais profundo e intímo que o importante na vida foi termos amado e termos tido a sorte de ser amados da mesma forma, nem que fosse por um breve instante de um breve momento da vida. Nesse momento de despedida, olhamos para trás e vemos como a vida se resume ao AMOR, a AMAR E A SERMOS AMADOS da mesma forma, com a mesma linguagem, força, lealdade, respeito e sonho de concretização futura.
Nesse momento de despedida, olhamos para trás e reparamos que o importante foi o Amor; nesse momento de despedida, não nos irá vir à memória a nossa profissão, a nossa carreira, os nossos sonhos, os desejos, os medos, as indecisões...nesse momento de despedida o que nos virá à nossa alma é o AMOR, as pessoas importantes e significativas na nossa vida que contribuiram para que fossemos quem somos...
O importante no momento da despedida é termos alguém que nos ame e que nós amemos também, que caminhe ao nosso lado por esse momento dificil que é o fim de uma étapa tão especial que é a vida.
A vida sempre continua; nunca pára.

O momento certo é o momento do aqui e do agora em que devemos agarrar esses instantes para nos empenharmos a sermos intensamente e profundamente FELIZES porque estamos aqui nesta nossa vida, neste nosso instante de existência para AMARMOS, sermos AMADOS e principalmente e acima de tudo sermos felizes!
E a vida sempre continua.......não deixem fugir os instantes que fazem os momentos onde podem surgir o Amor....

4 comentários:

Ana Diogo disse...

e o mais importante do que amar e ser amado, é amar nos e perceber que o presente nos pertence e só nos podemos fazer dele importante... e não é a olhar para tras constantemente que vamos ser felizes, podemos pegar em momentos que vivemos e recordar com saudade mas com a consciencia de que o importante é viver feliz ou buscar o sentimento de nos sentirmos bem neste mundo e que cada pedacinho que temos do presente nos constroi... Adorei amigo, expressaste muito bem o que é realmente o instante: viver....

ana disse...

Pois é amigo, a vida continua e temos que aproveita-la ao máximo para que nunca nos arrependamos do que não fizemos... Vais ver que a vida te irá sorrir MUITAS vezes e como dizes o AMOR irá surgir novamente e quem sabe com maior intensidade.
Sabes que podes contar cmg quando quiseres e para o que quiseres, pois a nossa amizade pode não ser de sempre mas de certeza que é para sempre.=)
Beijinhos

Anónimo disse...

Em 2007, partiu um familiar que eu amei muito, um marco no meu crescimento, uma referência; estive à cabeceira dele enquanto ia e vinha, entre o lá e o cá, tentando resistir, até que se entregou à morte de forma pacífica. Vivi esses momentos em silêncio, porque eram indiziveis, mas posso partilhar contigo que aprendi muito. Uma das lições que aprendi, que ficaram marcadas em mim para sempre foi a que mencionaste: na Vida,o que realmente tem valor é se amámos e fomos amados. Ele partiu em paz, porque amou e foi amado, e nesse momento de maior intimidade que um ser humano pode ter ( o da morte), ele partiu com as pessoas que ele amou e que o amaram junto dele.

Adorei ler-te, até porque escreves Amor com "Á" maiúsculo como eu :)

Um beijo

Lurdes

Dolores Spínola disse...

"É no instante de um momento" que num olhar, sentimos todo um AMOR, toda uma HISTÓRIA, todo um SIGNIFICADO...mesmo que hajam desencontros, mesmo que um dos dois feche no momento seguinte os olhos com medo e o outro continue a viver...a verdade é que o SENTIMENTO lá está, apesar dos caminhos serem diferentes.
O ideal como é obvio é não ter medo de viver o agora, ao olharmos sempre para trás acabamos muitas vezes por tropeçar em coisas que não são tão grandes assim, mas que vão se tornando gigantescas porque não tivemos a capacidade de as resolver na altura certa. E isso faz-nos perder muito da VIDA...às vezes o GRANDE AMOR...porque os obstáculos já não nos deixam ver muito para a frente, e o outro que continuou a VIVER já percorreu um grande caminho e já não o conseguimos apanhar.